sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Software grátis e útil para o PC do Natal

A Market Report traz uma notícia algo surpreendente: o mercado nacional de PC's está a crescer 75% em 2008. Isto é: estarão a vender-se este ano quase o dobro dos computadores pessoais do que no ano passado. Uma razão para isto será certamente a existência dos programas governamentais que facilitam a aquisição de computadores portáteis para o ensino básico e secundário. E outras razões haverá.

Entretanto, e como estamos na época do Natal, muita gente irá também comprar um computador novo nesta época, pelo que aqui fica uma lista de software open-source (ou simplesmente gratuito) essencial em qualquer PC. Quem usa Linux pode instalar os pacotes automaticamente usando o sistema operativo. Mas como a maior parte dos novos PCs irá (ainda) correr Windows, a lista inclui URLs para fazer o download.

Firefox Web Browser: o melhor browser do mundo, com centenas de extensões facilmente instaláveis. Extras recomendados: Dicionário de Português, Dicionário de Inglês, Flagfox, IE Tab (para aqueles sites mal feitos, que só correm em IE).

Thunderbird Mail: para ler correio electrónico qualquer que seja o servidor e o protocolo de acesso, com muitas extensões facilmente instaláveis. Extras recomendados: Lightening (agenda), Dicionário de Português, Dicionário de Inglês

OpenOffice3: afinal quem é que manda nos meus dados? A "suite" de escritório electrónico aberta lançou a sua mais recente versão e os seus ficheiros nunca mais ficarão trancados em formatos proprietários sujeitos a ameaçadoras patentes. Também possui um sistema de instalação de Extras, dos quais se recomendam: Dicionário de Português, PDF Import Extension, Professional Template Pack

Java Runtime Environment: seja para entregar o IRS ou para correr animações feitas com JavaFX, o Java é um daqueles que não se pode evitar, e ainda bem.

Avast Antivirus Home Edition: não é open source mas é gratuito e faz mesmo falta nos dias de hoje.

Gimp: Photoshop para quê se temos o Gimp? Edição de imagens profissional sem gastar um tostão em software.

Pidgin: porquê limitar-nos ao MSN se podemos falar também nas redes Google Talk, ICQ, Yahoo, etc.? Com o Pidgin podemos estar em todas.

7zip: um utilitário muito versátil para arquivar manipular ficheiros ZIP e outros ainda mais compactos.

FreeMind: um bloco de notas com esteróides, que permite editar mind-maps e organizar ideias de forma gráfica e muito compacta.

Ubuntu: se o PC novo tem Windows, abra uma janela para outro mundo. Instale Ubuntu Linux, sem destruir o Windows, e experimente a liberdade de escolha.

Boas compras!

(e se se lembrarem de mais algum, digam)

Spring Integration


Finalmente, após meses de "incubação" e apenas 2 dias após a data prevista, eis que foi oficialmente lançada a versão 1.0.0 GA do projecto "Spring Integration".

Não sendo eu muito adepto do uso desenfreado de Frameworks - ando para escrever algo sobre aquilo que considero um "antipattern" a que chamo de "Framework Oriented Design Architecture" mas tenho vergonha de o fazer em Português - e tendo algumas histórias de puro terror com o uso de algumas (não vou citar quais para não ferir susceptibilidades), foi com enorme prazer que verifiquei que desta vez as minhas fobias não se verificaram, considerando que trabalho com este projecto desde a versão M1, embora com algumas interrupções.

Eis aqui alguns pontos que creio justificarem a diferença:

- A "envergadura" do projecto. Os autores não têm tentado fazer um "state-of-all-arts" que rapidamente se torna num "elefante" que tenta servir todas as mesas ao mesmo tempo quando devia estar apenas a atender ao balcão. É o que acontece, do meu ponto de vista, com por exemplo o projecto Restlet que se tornou quase tao grande como os "monstros" SOA que visava "substituir" (que me perdoe o Jérôme Louvel por dizer isto, ele que até pertence ao grupo de "experts" do JSR-311 que tanto prezo...).


- A "maleabilidade" do projecto.
Não tendo que seguir rigidamente uma norma ou especificação (o projecto é apenas "loosely-based" no famoso livro EAI Patterns) o projecto não caiu na tentação de seguir uma linha orientada a um único "use-case", tendo-se mantido até agora utilizável em cenários completamente distintos dos idealizados pelos autores. Ao contrario do que sucedeu com o Jersey, que tendo optado por uma estrutura unicamente orientada a HTTP torna difícil a sua implementação com outros protocolos. O que aliás não é muito RESTafarian.

- A gestão do projecto. Mark Fisher, o leader do projecto, é uma pessoa com uma abertura extraordinária para "ouvir a comunidade", para pôr as suas próprias ideias em discussão, e quando é caso disso para integrar o resultado dessas discussões no projecto. Mesmo quando essas discussões são com gajos chatos pra caramba...

Por motivos compreensíveis, aguardo com ânsia a versão 1.0.1!!!

P.S. - Perdoem-me a imodéstia de me citar a mim próprio tantas vezes, mas também se não escrever daquilo que conheço, é melhor não escrever nada (ok, já sei o que estão a pensar)...

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

[Off-topic] Piada velha

Esta já é velha, mas como há quem não saiba, aqui vai.

Uma mulher vai à polícia.
- Senhor guarda, quero apresentar uma queixa! - diz ela
- O que se passou, minha senhora? - pergunta o guarda
- Fui violada!
- Foi alguém que a senhora conhece?
- Não senhor guarda nunca o tinha visto. Apareceu vindo do nada, violou-me e foi-se embora.
- É capaz de o reconhecer se o vir outra vez?
- Não sei se sou capaz... foi tudo tão rápido.
- Notou alguma coisa de especial na cara, na roupa?
- Não, nada de especial
- Viu se era alto ou baixo? Magro ou gordo? Louro ou moreno?
- Não consegui ver, senhor guarda... Só sei que era consultor...
- Consultor?!? Mas como é que a senhora sabe disso?
- Ora senhor guarda... fui eu que tive que fazer o trabalhinho todo!